Canal Youtube

download (1).png

41.3092.5058

41.9.8441.3413

Uma irmã, um rio e muitas terras foi veiculado no Canal Futura, no programa de documentários Sala de Notícias. 

DOCUMENTÁRIO

A QUESTÃO AGRÁRIA NOS RINCÕES DO BRASIL

Documentário explicita os desafios agrários em um país com muita terra pra pouca gente

Uma irmã, um rio e muitas terras é um documentário que nasceu de uma conversa com meu primo Estêvão Couto. Ele é Defensor Público Federal em Belo Horizonte, MG, o que acabou por me aproximar com o universo da Defensoria Pública no Brasil. O projeto nasceu de uma conversa despretensiosa em 2014, quando ele comentou sobre um caso em que estava atuando no norte do Estado. Tratava-se de uma disputa agrária no Vale do Jequitinhonha, região pobre localizada bem na divisa entre Minas e Bahia. Ali estava a incansável Irmã Geraldinha, freira dominicana que auxiliava 80 famílias de agricultores que haviam sido expulsos de uma terra já ocupada a mais de 20 anos. A luta era pelo reconhecimento dessas famílias e a inserção delas em um programa de reforma agrária mediada pelo governo brasileiro. A região é marcada pela grilagem de terras públicas, crime práticado ao longo de muitos anos por duas famílias que controlam a política local, inclusive, os cartórios da cidade que são responsáveis por "esquentar" escrituras que esquentam mais um naco de terra. 

Cenas do documentário Uma irmã, um rio e muitas terras .

Fotos Thiago Couto / Salto da Divisa(MG) 2014

Esse documentário foi antes de tudo uma grande experiência para mim. Ver de perto e me hospedar por 1 semana no acampamento de agricultores sem terra me ajudou a enxergar o tema de forma mais realista, considerando a complexidade do assunto. Percebi que em regiões com baixa atividade econômica, como é o caso do Vale do Jequitinhonha, a grilagem de terra é uma prática comum graças à evidente ausência do poder público. Nessa dinâmica, famílias que possuem poder econômico e político, agem deliberadamente no sentido de concentrar terrenos públicos de forma ilegal. Terras não exploradas nessas regiões poderiam tranquilamente ser incluídas em programas de reforma agrária para atender a demanda de pequenos agricultores que desejam produzir comida. Uma irmã, um rio e muitas terras nos ajuda a enxergar a importância de movimentos sociais em um país onde a aplicação da lei é extremamente desigual. Não se trata de uma proganda do MST, pelo contrário. O vilão e o herói podem facilmente trocar de papel nessa narrativa complexa chamada Brasil.